Entenda o que é o Equinócio


Amanhã acontece o equinócio no planeta Terra, um evento celeste que faz com que o dia e a noite figuem quase iguais.


Em um equinócio, a linha divisória entre o dia e a noite quando visto do espaço, torna-se vertical, "conectando" os pólos Norte e Sul da Terra.


Ele marca a mudança das estações em nosso planeta, com o Hemisfério Sul fazendo sua transmutação de verão para outono, e o Hemisfério Norte entrando na primavera.


O evento astronômico que marca essa transição é chamado de "equinócio", que provém do latim "aequinoctìum", "noites iguais" (aos dias), e acontece duas vezes por ano, a primeira em torno de 21 de Março e a seguinte em torno de 21 de setembro.


A razão da mudança das estações é considerado um dos conceitos frequentemente mais mal compreendidos da ciência.


Em virtude disto, vamos aproveitar a atual mudança das estações que o planeta passará amanhã com o equinócio de março, dia 20 de Março, exatamente ás 18:58 BRT (Brazilian Time), para tentar esclarecer alguns fatores.


Por volta das 18:58 hs BRT, o Sol, a Terra e qualquer satélite geossíncrono formarão um ângulo reto entre o que há luz e o que não há, proporcionando uma visão "vertical" da borda que determina as sombras do anoitecer e a luz do entardecer e do amanhecer.


Esta linha "vertical", na verdade é uma curva já que a Terra é redonda, porém as imagens de satélites conseguem mostrá-la apenas com duas dimensões.


A forma dessa linha que determina o limite entre as noites e os dias ao longo do ano, varia de acordo com as estações, o que significa nos depararmos com diferentes comprimentos de dias e diferentes quantidades de insolação sobre o nosso planeta.


É claro que não é o Sol que está se movendo para o norte ou para o sul, determinando a configuração das estações do ano, mas sim, (há) uma mudança na orientação e ângulos entre a Terra e sua estrela mais próxima, o Sol.


O eixo da Terra é inclinado em 23,5 graus em relação ao Sol e ao plano da eclíptica.


Este eixo é inclinado na direção oposta ao Sol no solstício de dezembro, em direção ao Sol no solstício de junho, espalhando mais e menos luz em cada um dos hemisférios.


Já nos equinócios, a inclinação está em um ângulo reto em relação ao Sol e a luz é espalhada uniformemente.


O "SEVIRI" (Spinning Enhanced Visible and Infrared Imager) do Meteosat-9 da EUMETSAT, capturou estas quatro imagens da Terra a partir de uma órbita geossíncrona. (Cada uma destas imagens foi capturada ás 6:12 da manhã, horário local).


As imagens mostram como a luz do Sol se "comportou" com o passar do tempo:

  • a luz "tocou" a Terra de forma mais inclinada em 21 de dezembro de 2010 (canto superior esquerdo);

  • com o passar do tempo, tornou-se vertical em 20 de março (canto superior direito);

  • voltou a ficar inclinada, porém com outro ângulo, em 21 de junho (parte inferior esquerda);

  • e novamente em 20 de setembro de 2011, tornou-se vertical (canto inferior direito).


Por: João Batista Salgado Loureiro

Cofundador da Holystica®, Escritor, Especialista em Maçonologia, Engenheiro Civil, Astrônomo Amador, Autor de Produtos de Astronomia, Palestrante de Astronomia e Motivacional



Glossário:


Satélite Geossíncrono - Qualquer satélite que tenha uma órbita considerada geossíncrona tem um movimento de rotação que acompanha exatamente a rotação da Terra.

Imagens da NASA e animação de Robert Simmon, usando dados © 2010 EUMETSAT. Legenda de Mike Carlowicz.